© Katja RuppDarcey Proper

Dei um pulinho a Noordwijk e Amesterdão a convite da Sony para ser apresentado aos mais recentes equipamentos Áudio Hi-Res, uma das grandes apostas da marca nipónica, que tem conhecido muitos aplausos e criado uma onda de entusiasmo entre profissionais do som, e audiófilos em geral, devido às características realmente de topo que oferece a um preço que não assusta e com soluções para todos os gostos e necessidades. E que melhor local para ouvir o potencial da segunda geração de equipamentos se um dos mais famosos estúdios de som do mundo, o incontornável Wisseloord Studios? 20140515_172656 - Cópia

Quem me conhece a vida sabe que, numa existência profissional já no século e milénio passados, fui músico, daqueles com discos gravados, contratos com editora e tornés lá fora. Bem verdade. Portanto, imaginem-me a entrar nas salas renovadas e reequipadas neste cantinho do mundo e olhar para cada espaço, cada cabo, processador, botão, luz… parecia um miúdo entusiasmado. Nem os meus companheiros de viagem (fiquei, mais os dois compatriotas,  incluido no grupo dos  italianos e espanhóis) perceberam até que ponto regressei a outro tempo e confesso que foi muito difícil manter esse bichinho adormecido.

Mirko Goetzen - Cópia

Mirko Goetzen

O evento dividiu-se em duas partes muito distintas. Por um lado, o pessoal da Sony apresentou-nos uma a uma todas as peças do novo portfolio Hi-Res. Já lá vamos. Por outro, a explicação detalhada do que se faz em cada sala do estúdio, oferecidas pela mítica Darcey Proper, uma experiente e premiada (com Grammy) Engenheira de Som que faz misturas já em sistema 9×1, aprendeu-se um pouco sobre misturas de master com Sander Van De Heide, ainda tivemos oportunidade de perceber como se modifica e enriquece um mp3 de um riff de bateria que passado meia hora fica a soar como o Phil Collins ali mesmo ao nosso lado, etc. Um dia que se passou a pular de estúdio em estúdio, pelas mãos e conhecimentos de mago em mago, intercalado com as exposições e explicações sobre os amplificadores, leitores multimedia, colunas de som e auscultadores dadas pelos engenheiros Sony, presentes desde o designer Mirko Goetzen ao engenheiro Hideki Seki.

© Katja Rupp

Sander Van De Heide

 

Pequenos vídeos (captados por smartphone)

 

 

O futuro

A Sony é, quanto a mim, um sinónimo de inovação. Infelizmente para muitos consumidores, nos quais me incluo, com mais batalhas perdidas que ganhas. Exemplos? O Betamax tão superior ao medíocre VHS ficou pelo caminho. O MiniDisc, a DAT, o SACD foram ultrapassados por soluções de menor qualidade. Se fosse uma outra marca, qualquer destas derrotas teria sido o canto do cisne, mas estas quatro letrinhas têm mais alma do que imaginávamos e mais de sete vidas. A mais recente “luta” é este denominado High Resolution Audio que consegue aumentar, e muito, a qualidade do ficheiro digital e melhorar a sua reprodução para um nível muito superior. Será que este processo conseguirá imiscuir-se neste pobre mundo cortado em graves e agudos através dos MP3? Será que os mais jovens, que já nasceram a ouvir metade ou menos de cada música, se importarão com isso? Ou vai obrigar quem já recomprou inúmeras vezes os mesmos discos nos mais variados suportes a gastar novamente dinheiro para conseguir reconquistar, afinal, muito do que perdeu na era digital? E sim, falo exclusivamente de qualidade.

É com esta dura batalha pela frente que a Sony se posiciona para ser líder num novo mundo de qualidade audiófila. E, para isso, mostrou as mais variadas gamas que suportam esta aventura, desde BDV-N9200W_Situation__X8500B_01 - Cópiaamplificadores a leitores com disco rígido incorporado, às colunas (com e sem fios), barras de som, walkman e auscultadores (um deles muito específico). Mas como irá conseguir a Sony mudar a mentalidade de toda uma geração de ouvintes, de leitores digitais com pouquíssimo espaço para grandes ficheiros como são os smartphones, cada vez mais preferidos que iPods e Walkmans dedicados? Pura e simplesmente… aprendendo com os erros e não querendo dominar o mundo de forma monopolista. Sendo assim, não foi por acaso que os jornalistas foram aos estudios Wisseloord, também não foi um acaso estarmos perante engenheiros de som que nos mostravam as misturas ou remisturas do novo disco de Pharrell Williams com uma qualidade impressionante, como não é acidente a Sony ter editoras de música, estúdios de cinema, vídeo, áudio, canais de televisão e tudo o mais. O Hi-Res precisa de apoio, associados, sócios, defensores e produtores. Será que tudo vai dar certo? Pelos vistos, bastam umas audições para nos apercebermos da qualidade para passarmos a ser, não defensores, mas apostadores extremos nesta nova tecnologia. E sabem uma coisa, tudo começa por gostar de música e ter a noção de como ela deve ser apreciada.

BDP-S7200_SituationShot.b-1200 - Cópia

Alianças e aliados

Portanto, percebemos a importância das movimentações nos bastidores. Talvez a história da tecnologia não seja um acaso, ou um somatório de evoluções. Se calhar foi a derrota do Betamax  que mostrou à marca a extrema importância da política associativa. Foi por isso que a Sony se juntou a algumas marcas para impôr o seu Blu-Ray ao HD-DVD e saiu, como sabemos, vitoriosa sendo o seu nome sinónimo do formato (incluir um leitor BR na PS3 foi um golpe de mestre). E agora, quem serão os associados imediatos para conseguir globalizar o Hi-Res? No campo das majors, tem o apoio de quem é importante: Warner e Universal. Em termos “tech”, conseguiu o principal: o total apoio da CES, a famosa Consumer Electronics Association, e de marcas tão importantes como a Samsung, LG (curiosamente sul-coreanas), a clássica Onkyo e a adorada B&W, para citar alguns exemplos. A lista engrossa mensalmente, a tecnologia chega às prateleiras e estes eventos patrocinados pela marca, onde estive presente em Londres e agora pelos Países Baixos, servem exactamente para um entusiasmado ou crítico passa palavra. Na verdade, ninguém lhe fica indiferente, nem mesmo um jornalista germânico que em Londres barafustou porque o iPhone dele só tinha 16GB e uma única faixa Hi-Res poderá chegar aos 1000MB. Qualquer dia estará a falar-se do Hi-Res como se fosse um companheiro de longa data. Estou em crer que sairá vitorioso, pois os preços, não altos mas acima das possibilidades de muitos de nós, baixarão como na demais tecnologia. E se exigimos TVs com 4K, não deveríamos pedir a mesma qualidade em áudio?

Problemas? Alguns, sendo um dos mais importantes o próprio trabalho na produção musical. A ida aos estúdios holandeses não foi por acaso, e tive pequenas conversas com os engenheiros que me apontaram algumas dificuldades. Todos eles sabem que, quanto maior o ficheiro a trabalhar, mais potente tem de ser o software e o hardware. Ou seja, o grande obstáculo para o imediato sucesso é o Protools e os PCs/Macs que não são suficientemente poderosos. O Protools, software de edição musical usado pela maior parte dos estúdios profissionais, deverá conhecer um “boost” brevemente. Quanto aos amados Mac, o novo Pro deverá dar conta do recado. Nos PCs só uma certeza, a Sony já não apresentará um Vaio novo…

X9_X7_W__X5_R__X7CD_W__GroupShot-1200 - Cópia

As novas máquinas

De todas as propostas presentes no estúdio e, no dia seguinte num espaço mais zen, as que tiveram mais notoriedade, para surpresa minha e de outros, foi a nova colecção de colunas portáteis disponíveis em vários modelos e dimensões. E a razão foi simples: mal se ligou a topo de gama X9, toda a sala soltou um “oh” de espanto. A X7 garantiu um “Wow” e as X5, X3 e X2 mereceram dezenas de fotografias, comentários, olhares mais pormenorizados e muitas experimentações individuais. A Sony sabia o que tinha na mão e não foi por acaso que o designer de toda a gama, Mirko Goetzen, explicou ao pormenor o porquê das linhas e a razão dos materiais. A seu lado, o nipónico Hideki Seki explicou a arquitectura interna e os componentes. Não tenho dúvidas que esta geração de colunas Sony Hi-Res vai fazer correr muita tinta e fazer pulsar muitos corações.

Espero ansiosamente conseguir passar mais tempo de qualidade com elas em futuros ensaios e, quiçá, brindar o Xá das 5 com uma… X5.  Podem ler aqui o post sobre estas SRS.

 

Links

Este post já vai longo, portanto, é melhor dividir a apresentação das gamas por artigos dedicados que irei colocando nos próximos dias. O que acham?

Para já fiquem com os links directos para saber tudo sobre a oferta Hi-Res Sony:

Clicar nos links para saber mais sobre os Amplificadores, leitores audio HRA e leitor BR-HR-4K

Ou nestes para saber mais sobre as Soundbars e colunas portáteis da série X.

Ou finalmente nestes para saber mais sobre a gama de auscultadores e walkman HR, clicar aqui.

 

.

João Gata

Começou em vídeo e cinema, singrou em jornalismo, fez da publicidade a maior parte da vida, ainda editou discos e o primeiro dos livros e, porque o bicho fica sempre, juntou todas estas experiências num blogue.

View all posts

1 comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *