br1

A Bell & Ross apresenta uma nova série de três relógios inspirada nos relógios marítimos que marcaram a história naval. Os três novos modelos reinterpretam de forma contemporânea estas ferramentas evocativas e constituem uma espécie de elo de ligação entre o passado e o presente, a tradição e a modernidade.

A nova colecção Instrument de Marine evoca, à escala de um relógio de pulso, o relógio mítico inventado por John Harrison no século XVIII. À época, os relógios navais apresentavam-se em caixas de madeira quadradas com indicação das horas efectuada num círculo como na maioria dos relógios actuais. Um círculo num quadrado

Para estes novos relógios, a Bell & Ross combina aspetos contemporâneos e pormenores retro. Nesta composição, os materiais assumem particular importância.

PALISSANDRO DA ÍNDIA: A madeira alude ao casco e aos mastros dos navios, bem como à caixa exterior dos instrumentos de bordo daquela época. O Palissandro da Índia é uma madeira rara, de grão muito fino, com uma textura elegante e que apresenta um tom quente de rosa/vermelho. Mas é também extremamente resistente à compressão. Trabalhar este material exige grande rigor. É cortado em folhas muito finas, sucessivamente prensadas, trabalhadas e, por fim, envernizadas.

BRONZE: As caixas dos BR 01 Marine e BX1 Skeleton Chronograph incluem bronze, uma liga que evoca o latão que revestia os relógios navais originais. Em contacto com o ar e a humidade, este material ganha uma pátina de tom acastanhado ou cinzento/verde. Esta oxidação singular transforma estes relógios em peças únicas.

OURO ROSA: Este material apresenta-se na caixa do BX1 Tourbillon Chronographe. A nobreza do ouro é ideal para este modelo excepcional. Além disso, a sua cor combina perfeitamente com o Palissandro da Índia.

TITÂNIO GRAU 5: Para a parte do invólucro central, a casa relojoeira optou por titânio grau 5, um material moderno, leve e resistente.

BR4

TRÊS INSTRUMENTOS, TRÊS FUNCIONALIDADES

A colecção Instrument de Marine tem por base três modelos específicos, genuínos ou mais sofisticados, distinguindo-se todos pela sua extrema elegância.

 

BR 01 INSTRUMENT DE MARINE (edição limitada a 500 peças)

br2

Reinterpretação fiel de um relógio naval como relógio de pulso, este modelo evoca o icónico BR 01. O BR 01 Instrument de Marine apresenta um design de estilo subtilmente retro. Este relógio exibe bronze na caixa, no aro e na coroa. Apenas o fundo é em titânio, um material mais contemporâneo. Finalmente, o relógio encontra-se cintado por uma faixa de palissandro estilizado.

O mostrador, que combina branco lacado, algarismos romanos e finos ponteiros em aço azulado, alude aos mostradores dos instrumentos do século XVIII. Os pequenos segundos, que revelam um grafismo delicado, situam-se às seis horas.

Quanto ao mecanismo, trata-se de um movimento de corda manual, como na época. Apresenta a indicação das horas e dos minutos ao centro e a dos segundos às 6 horas. Finalmente, a reserva de marcha de 56 horas, maior que a habitual, presta homenagem às longas travessias oceânicas.
Características técnicas
Movimento: calibre BR-CAL.203. Mecânico de corda manual. 17 rubis, 21 600 alt./h. Reserva de marcha de 56 horas.
Funções: horas, minutos e segundos pequenos às 6h.
Caixa: diâmetro de 46 mm. Madeira preciosa, titânio e bronze CuSn8.
Mostrador: branco lacado. Algarismos romanos. Ponteiros azulados.
Vidro: safira com tratamento antirreflexo.
Estanqueidade: 100 metros
Bracelete: pele de aligátor castanha.
Fecho: fivela. Bronze.

 

BR-X1 SKELETON CHRONOGRAPH (edição limitada a 99 peças)

brx1

Este cronógrafo de estilo robusto está equipado com um movimento automático esqueletizado. O mostrador em vidro de safira com uma ligeira coloração cinzenta, como o mar em dias de tempestade, permite admirar este mecanismo extremamente sofisticado. Exibe uma escala de minutos com algarismos romanos e indexes aplicados dourados, revestidos com Superluminova. Também os ponteiros dourados são esqueletizados. A caixa sofisticada combina titânio, palissandro e bronze. Este último material reveste o aro, os botões, a proteção da coroa e a coroa.

O calibre automático fornece as funções cronógrafo, pequenos segundos às 3 horas e data esqueletizada às 6. O totalizador de minutos do cronógrafo está situado às 9 horas. Sem ponteiros, apresenta-se sob a forma de um disco em alumínio, cuja forma lembra as hélices de um barco.

Características técnicas
Movimento: calibre BR-CAL.313. mecânico automático. Ponte superior em forma de X. 56 rubis,
28 800 alt./h. Cronógrafo esqueletizado.
Funções: horas, minutos, segundos pequenos às 3h. Data esqueletizada às 6h. Cronógrafo: contador de 30 min às 9h, segundos do cronógrafo ao centro.
Caixa: diâmetro de 45 mm. Madeira preciosa e bronze CuSn8. Fundo com abertura em vidro de safira com coloração, centrado no balanço.
Mostrador: vidro de safira com coloração cinzenta. Indexes aplicados dourados com inserções Superluminova. Ponteiros das horas e dos minutos dourados esqueletizados, com Superluminova. Disco do contador de 30 min do cronógrafo em alumínio dourado.
Vidro: safira com tratamento antirreflexo.
Estanqueidade: 100 metros.
Bracelete: pele de aligátor castanha.
Fecho: fivela. Bronze.

BR-X1 TOURBILLON CHRONOGRAPH INSTRUMENT DE MARINE (edição limitada a 20 peças)

br3

Ainda mais exclusiva, esta versão de alta relojoaria dispõe de uma mecânica excecional, de corda manual. O turbilhão surge em 1801 e é considerado pelos apreciadores como a complicação suprema. Este sistema visa compensar os efeitos da gravidade terrestre quando o relógio está na posição vertical. O objetivo é obter maior precisão.

A caixa desta prestigiosa versão ostenta ouro rosa de 18 quilates e madeira. No mostrador, os ponteiros ao centro indicam de forma clássica as horas e os minutos. Dois discos de contadores em metal dourado estão posicionados às 2 e às 10 horas. O primeiro é o contador de 60 segundos do cronógrafo, dotado de um ponteiro de arrasto de seis impulsos por segundo. O segundo é o contador de 30 minutos do cronógrafo, dotado de um ponteiro saltante semi¬-instantâneo.

Quanto à gaiola dourada do turbilhão encontra-se posicionada às seis horas. As pontes superiores esqueletizadas permitem observar o excecional movimento cronógrafo acionado através do mono-botão às duas horas.

Mecanismo de corda manual sofisticado, constituído por 282 peças minúsculas, o turbilhão denominado «voador», está instalado numa delicada gaiola suspensa. Tem a particularidade de estar montado na platina sem ponte superior. Por este motivo, parece estar a flutuar. Este movimento de extrema complexidade dispõe de uma colossal reserva de marcha de 100 horas, ou 4 dias, estando o respetivo ponteiro de indicação (equivalente ao indicador de nível de combustível) posicionado às 9 horas. O sinal «&», assinatura da casa, marca os segundos na gaiola do turbilhão.

Para desenvolver um motor de tal forma complexo, os engenheiros da Bell & Ross uniram-se aos melhores mestres relojoeiros suíços.

Características técnicas

Movimento: calibre BR-CAL.283. Turbilhão voador de corda manual. Cronógrafo monobotão de roda de colunas. 282 componentes, 35 rubis, 21 600 alt./h. Reserva de marcha de 4 dias.

Funções: horas e minutos. Cronógrafo: contador de 30 min às 11h, contador de 60 s do cronógrafo à 1h. Indicação da reserva de marcha às 9h. Turbilhão voador às 6h.

Caixa: diâmetro de 45 mm. Ouro rosa de 18 quilates e madeira preciosa. Botão basculante. Fundo em safira com tratamento antirreflexo.

Mostrador: vidro de safira com coloração cinzenta. Indexes aplicados dourados com inserções Superluminova. Ponteiros das horas e dos minutos dourados esqueletizados, com Superluminova.

Vidro: safira com tratamento antirreflexo.

Estanqueidade: 100 metros.

Bracelete: pele de aligátor castanha.

Fecho: fivela. Ouro rosa de 18 quilates

 

João Gata

Começou em vídeo e cinema, singrou em jornalismo, fez da publicidade a maior parte da vida, ainda editou discos e o primeiro dos livros e, porque o bicho fica sempre, juntou todas estas experiências num blogue.

View all posts

Analista ao volante do novo Mercedes Classe A

Análises – reviews

Breves

Siga o Xá das 5, um blogue de João Gata