G4_Genuine Leather3

O que vos interessa mais num smartphone?

a) a qualidade das chamadas

b) a velocidade de processamento

c) uma câmara foto/vídeo que rivalize com as dedicadas e compactas

d) um ecrã grande num corpo pequeno

e) características top para um manuseamento perfeito

d) espaço e espaço para ter ainda mais espaço

f) toques no ecrã e originalidade nos comandos

g) capas à escolha (em pele também) e bateria amovível

Shot with G4 B

Tudo isto? Não é pedir o impossível? A LG acha que não e a tudo isto juntou um ecrã ligeiramente curvo para um equilíbrio digno de nota. Sim, a LG “did it again”! O LG G4 é provavelmente o melhor smartphone do ano (o G3 foi o do ano passado, será que a história se repetirá)?

Mas o que se passa com estes sul-coreanos que se batem com vantagem contra a toda poderosa Samsung e fazem esquecer a concorrência a cada lançamento da série G? Acima de tudo, qualidade. Qualidade de fabrico, montagem, design. Opções invulgares como o ecrã curvo, as capas em pele, os botões colocados na traseira. Tudo isto com processador Snapdragon 808 da Qualcomm com X10 LTE e um super ecrã 5,5″ IPS Quantum QHD 1440 x 2560 pixels com 538ppi e Gorilla Glass 3, uma bateria com 3000mAh e uma câmara de 16MP com OIS, flash por laser e ainda uma câmara frontal com 8MP para selfies “fantabulásticas”. Mas não só, a LG domina também as aplicações e o G4 pode mesmo considerar-se como uma alternativa ao Galaxy Note. Não tem S-Pen, mas permite desenhar com stylus ou pontas de borracha… até mesmo com os dedos.

lg-g4-leak-6

Não posso considerar o G4 um phablet. Quanto a mim, um phablet só o é com ecrãs a partir das 6″. Este IPS tem 5,5″, mas o corpo é tão bem desenhado ao seu redor, que parece bem maior. E isso traduz-se numa qualidade percebida na utilização. A ligeira curvatura compõe o ramalhete e reforça o conforto na mão. É, quanto a mim, o mais equilibrado da actualidade. Infelizmente, a fabulosa capa traseira em pele (na unidade de ensaio vinham duas, preta e camel, a minha preferida) não acompanha a qualidade do telefone. Gasta-se depressa, apresentando evidentes sinais de uso (principalmente se o transportamos no bolso das calças) e este duro (porque diário) ensaio de três meses mostrou os danos. Telefonei à LG pois sabia que mais utilizadores tinham sofrido o mesmo resultado e a marca apressou-se a responder que sabiam da ocorrência e que o problema estava numa primeira leva de capas que tinham uma qualidade inferior ao pretendido. Espero que as mais recentes ultrapassem esta problemática, pois é uma questão importante se levarmos em conta que cada capa custa à volta de 70€.

resize_1

Mas vamos ao que interessa. A LG continua a apostar nos três botões de operação colocados atrás. Faz, depois de uma certa habituação, todo o sentido e torna tudo mais rápido e prático. Excepto quando se tenta tirar uma selfie. É difícil carregar num botão num ângulo não natural. Contudo, a LG dotou o G4 de uma “artimanha”: que tal abrir e fechar a mão à frente da câmara (qualquer mão de qualquer conviva) ou exclamar uma palavra como “cheese”? A coisa funciona na maior parte das vezes e esse distanciamento físico em relação ao ecrã do G4, permite um retrato bem cool. Principalmente porque a objectiva tem uma boa abertura que permite a entrada de muita luz.

A curvatura é um pau de dois bicos. Se por um lado o torna muito confortável e seguro na mão, por outro, quando o deixamos na mesa, dificulta tremendamente a escrita de mensagens, por exemplo. Fica bambaleante, o que provoca erros e alguma irritação. É um mal menor? Depende da forma como mais usamos o nosso equipamento. Mas tenham isto em consideração, principalmente porque (e este é um factor negativo) a caixa do G4 é feita em plástico, não em metal. Se não me afectou minimamente na utilização, pode ser complicado para quem leva estas questões dos “premium” mais a sério, principalmente agora que os concorrentes directos (s6 e Mate S) têm caixa em metal. Mas há uma vantagem: este binómio plástico/capa em pele garante o conforto de utilização mesmo após bastante tempo de operação (como um jogo), evitando um aquecimento brutal na sua secção traseira.

O ecrã é super brilhante com grande detalhe e cores ricas. A LG continua a ser premium neste sector, com uma qualidade digna de registo e que é tanto ou quanto necessária devido à fabulosa câmara. E digo fabulosa porque é, sem sombra de dúvida, a melhor da actualidade (atenção que o Xperia Z5 ainda não chegou ao mercado). Mas estes 16MP ultrapassam em muito os 20MP do meu Xperia Z2, por exemplo.

G4_Genuine Leather2

O sensor 1/2.6 com lente f/1.8 reforçado com estabilização digital (OIS), sensor de espectro de cores e todas as possibilidades de controlo manual, fizeram com que eu deixasse a câmara fotográfica em casa sempre que ia a este ou aquele evento. Mas a estrela da companhia é o focus por laser: rápido e eficaz, mesmo em ambientes mais escuros. Manualmente, podemos alterar ou compor cada boneco alterando o balanço de brancos, focagem, ISO, velocidade de obturador, enfim, tudo o que uma boa câmara nos permite. E isto num pacote que faz telefonemas e permite ler emails… ah, já vos referi que o G4 grava as fotos em RAW? À frente contamos com uma unidade que permite 8MP com funcionalidade Gesture Interval Shot para conseguir quatro disparos com intervalos de dois segundos. Como já referi, accionar o obturador é simples bastando abrir e fechar a mão duas vezes à frente da câmara ou exclamando uma palavra (existem várias em opção no menu).

G4_Genuine Leather1 lg g4 A LG apresentou o novo topo de gama LG G4 que vai fazer furor G4 Genuine Leather1

Se a qualidade da capa em pele foi um ponto negativo, há que apontar o que de pior tem este G4: a bateria! 3000mAh não chegam para um dia de intenso trabalho. E sim, intenso trabalho. É que o G4 é um smartphone profissional, que convida à utilização de todas as funções e a qualquer hora. Permanentemente ligado à net, tirando fotos, compondo textos, editando posts, checando os emails, renpondendo nos chats, tudo isto espreme a bateria que precisa de um “boost” a meio da tarde.

O G4 é o primeiro LG a utilizar o novo UX 4.0 melhorado e que elimina etapas desnecessárias enquanto proporciona mais opções de configuração para os utilizadores mais avançados. Os ecrã inicial é composto por um conjunto de “Smart Bulletins“, os quais escolhemos de uma lista, que nos oferecem informação diária sobre a nossa saúde e bem estar, calendário, bloco notas e, acima de tudo, essa pequena maravilha da tecnologia (e até agora só presente nos Gs) que é o QRemote, ou seja, um controlo remoto que aprende muito facilmente (bom, às vezes tem manhas) todos os comandos dos nossos vários equipamentos audiovisuais (e não só), com a suprema vantagem de dividir em sala e quarto, por exemplo. Só esta app, vos garanto, faz com que o G4 (e o G3) valham muito a pena.

LG-G4-capac-baterie-si-dimensiuni

Aproveito a lista oficial para apresentar muitas das soluções:

  • O Quick Shot permite tirar fotografias sem abrir a aplicação da câmara tocando duas vezes no botão traseiro enquanto o ecrã está desligado. O LG G4 possui também um rápido tempo de iniciação de apenas seis décimos de segundos.
  • A nova Galeria torna extremamente rápido o processo de percorrer milhares de imagens e visualizá-las numa cronologia. A funcionalidade Memories organiza automaticamente as fotografias e os vídeos em álbuns específicos para cada evento, baseados na data e localização de cada fotografia, sem ser necessário fazer o upload na cloud.
  • O Event Pocket permite criar um calendário ao arrastar e soltar os compromissos e actividades a partir de vários calendários e das suas redes sociais. Após a configuração inicial já não será necessário fazer log in em múltiplos calendários.
  • A funcionalidade Smart Notice foi melhorada, fornecendo notificações mais personalizadas sobre a previsão do tempo, viagens e muito mais, ao analisar os hábitos de vida dos utilizadores, como por exemplo a forma como se deslocam até ao trabalho. Isto permite ao Smart Notice emitir mensagens personalizadas tais como “Certifique-se que leva um chapéu-de-chuva para o caminho até ao metro”.
  • Quick Help permite aos utilizadores procurar respostas rápidas sobre qualquer dúvida ligada ao funcionamento do LG G4, mesmo no widget Smart Notice. Esta funcionalidade pode guiar os utilizadores através das definições do LG G4 e ainda agendar uma chamada para o serviço ao cliente.

E a conclusão? Parece que disse bem de tudo, exceptuando a qualidade da capa e a capacidade da bateria. Ah, o efeito bambaleante que o formato curvo provoca numa mesa. Será que tudo o resto é bom? Sim. Não só bom como muito bom! Mas a possibilidade do acesso à bateria e esta ser amovível, nos tempos que correm, é coisa boa e rara.

O LG G4 fez-me esquecer terminais de que muito gosto, transformou-se no meu escritório, máquina de escrever, editar e publicar, câmara foto e vídeo, sempre ligado ao mundo, ao meu corpo (os passos que dei por dia ficaram contabilizados) e à minha agenda.
Sem um queixume, garantiu ultrapassagens no Real Reacing 3 sem um queixume gráfico, assim como também se ligou facilmente aos TVs de ensaio por streaming. Para ser perfeito, faltam-lhe duas colunas estéreo frontais.

O preço é mais baixo que os concorrentes directos e nem o corpo de plástico o torna menos apetecível. Pode mesmo ser o smartphone de 2015. A ver vamos, pois a concorrência é muito feroz.

PVP:

·         LG G4 Cerâmica/Metálico: Operador: 599€; Open: 699€

·         LG G4 Pele Genuína: Operador: 649€; Open: 749€

 

 

 

João Gata

Começou em vídeo e cinema, singrou em jornalismo, fez da publicidade a maior parte da vida, ainda editou discos e o primeiro dos livros e, porque o bicho fica sempre, juntou todas estas experiências num blogue.

View all posts