A Henessey é uma empresa desconhecida para a maioria dos europeus. Sediada no Texas é famosa pelas modificações efectuadas em carros já de si muito especiais. As modificações oferecem potências e performances a roçar o ridículo que, na maior parte das vezes, só poderão ser realmente aproveitadas numa pista.

A qualidade e fiabilidade do trabalho da empresa é o seu porta estandarte nos EUA e o seu nome cresce cada vez mais além fronteiras.

Quando em 2009 a Henessey anunciou que iria desenvolver um carro tendo de base o Lotus Exige ninguém podia prever o que ia acontecer a seguir.

De seu nome Venom GT este é um automóvel capaz de envergonhar um Bugatti Veyron. Algo verdadeiramente espectacular e a que ninguém fica indiferente. A performance é realmente do outro mundo. O trabalho da empresa é bem definido pelo Top Gear USA – “Hennessey is a Texas tuning shop famous for creating Texas-sized horsepower numbers and for modifying super cars that will steal a Bugatti Veyron’s lunch money.” 

Em desenvolvimento está já o Venom GT2 que será apresentado no decorrer de 2013 e sobre o qual os detalhes ainda escasseiam. Menos parecido com o Lotus Exige que lhe serve de base, será ainda mais potente e ainda mais rápido – 1.500 cv e 462 km/h de velocidade máxima.

Mas por enquanto temos que nos contentar com o Venom GT actual, um singelo automóvel movido por um V8, bi-turbo de 7.0 lt com caixa manual de 6 velocidades. A potência pode ser definida em 3 níveis – 800 cv, 1.000 cv e 1.244 cv. Com o nível de 1.244 cv a relação peso / potência é de 1:1.

Tudo isto permite performances inacreditáveis:

  • 0-100 km/h – 2,5 seg
  • 0-200 km/h – 7,96 seg
  • 0-300 km/h – 13,48 seg
  • 0-370 km/h – 19,96 seg
  • Velocidade máxima – 440km/h

Apenas por curiosidade refira-se que o Bugatti Veyron “demora” 24,2 seg para atingir os 322 km/h.

 

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=turV3v9RYeU]

 

João Gata

Começou em vídeo e cinema, singrou em jornalismo, fez da publicidade a maior parte da vida, ainda editou discos e o primeiro dos livros e, porque o bicho fica sempre, juntou todas estas experiências num blogue.

View all posts

Add comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *