Notch, Drop, LaserCut e Foldable: em dois anos o mundo ajustou-se ao novo léxico mobile. Mas em 2012 a Sony inovou com um tablet peculiar

A Samsung dividiu as novidades por dois dias e outros tantos palcos. A 19 e em Londres, mostrou a nova gama S10 com uma versão 5G e os Galaxy Buds. A 20 e em São Francisco, escolheu o novo dobrável, denominado Fold, que quase tapou a verdadeira estrela da noite, para além de uma nova linha de acessórios.

Sobre o S10, podem ler neste link o que aconteceu em Londres. Vamos, portanto, ao Fold, o segundo protótipo da marca, agora num estádio mais avançado, que fez soltar uns quantos “ohs” de espanto em muitos dos jornalistas presentes.

Sony Tablet P
Sony Tablet P

Quando a Sony dobrou o tablet

Corria o longínquo ano da graça de dois mil e doze quando a Sony, à altura ainda um portento no segmento mobile, lançou para o mercado dois tablets que fizeram história. Um deles, denominado tablet P, foi tão original que marcou a diferença. O problema para a falta de sucesso: o preço.

O Sony Tablet P encantou meio mundo e mostrou que o caminho do futuro já estava traçado. E a Samsung mostra, sete anos depois, que a filosofia nipónica estava correcta.

Lenovo Folio
Lenovo Folio

Era uma vez o Folio

Anos mais tarde, em 2016, o Lenovo Folio foi o primeiro verdadeiro foldable, embora apenas protótipo, um telefone que se abria e se transformava num tablet ou vice versa, com uma dobradiça que fez e faz história nos mais recentes produtos da marca. Aberto ficava com um ecrã de 7,8″, fechado, um mais tradicional smartphone de 5,5″.

Sempre existiram tentativas para aumentar o ecrã no mesmo espaço disponível de um telefone e, hoje em dia, já podemos ver muitas propostas de várias marcas.

Samsung Galaxy Fold
Samsung Galaxy Fold

Samsung é a primeira a chegar

Como já vimos, não é a primeira a inovar, mas é a primeira a chegar ao mercado (Abril) com um equipamento funcional, totalmente preparado para as necessidades de cada um de nós, e que inaugura assim um novo segmento de nicho que aponta aos mais endinheirados. Sim, é um form factor que nunca poderia sair barato, tendo em contra que triplica os ecrãs, por exemplo.

O Samsung Galaxy Fold apresenta-se com o primeiro ecrã Infinity Flex de 7.3” que se dobra ao meio. Deste modo, o que é um tablet fica com o formato de um smartphone, embora mais grosso, e com um terceiro ecrã para realizar as tarefas do dia a dia.

Este super ecrã é 50% mais fino que os normais o que o torna mais flexível mas tabém mais resistente. O sistema está baseado numa dobradiça com múltiplas engrenagens interligadas, sistema escondido dentro da própria carcaça do Fold para o tornar mais apelativo.

O sensor ID passou para a lateral (curiosamente, a antiga solução da Sony) e as duas baterias estão colocadas para que o conjunto, quando aberto, fique totalmente equilibrado.

Samsung Galaxy Fold

Toda uma renovada experiência

O Galaxy Fold pode ser usado com um típico smartphone através do seu ecrã frontal. Mas é quando se abre, que toda “a janela mágica” nos provoca e nos incita a outro tipo de acções, aquelas que fazemos através de um tablet ou até mesmo de um laptop.

Ler revistas, consultar mapas, ver vídeos, tudo se torna mais fáacil através desta possibilidade. E, não esquecer, o multitasking que, como se viu na apresentação dinâmica no palco de São Francisco, é o maior cartão de visita do Fold.

UX única

As vantagens desta nova plataforma são apresentadas pela marca nos seguintes parágrafos:

  • Múltiplas Janelas Activas: Abrir até três aplicações activas em simultâneo no ecrã principal para navegar, escrever, trabalhar, visualizar e partilhar sem perder um segundo.
  • Continuidade das Aplicações: Transição de forma ininterrupta e intuitiva entre o ecrã exterior e os principais ecrãs. À medida que o Galaxy Fold abre e fecha, as apps surgem automaticamente onde as deixamos.

A Samsung trabalhou com a Google a comunidade de developers da Android para assegurar que as aplicações e serviços estão disponíveis para a UX do Galaxy Fold.

Desempenho Premium Criado para Dobrar

A Samsung equipou o novo Galaxy Fold com um AP chipset poderoso de próxima geração e 12 GB de RAM para igualar o desempenho de um PC. O sistema sofisticado com bateria dupla foi criado especificamente para acompanhar o utilizador. O Galaxy Fold é também capaz de carregar um segundo dispositivo em simultâneo através do Wireless PowerShare, enquanto ligado a um carregador normal.

Com ecrã AMOLED Dinâmico e o som claro e nítido das colunas stereo AKG, os filmes e os jogos preferidos ganham vida em cores e sons ricos.

A marca também dotou o Fold com uma impressionante secção fotográfica: seis lentes – três na traseira, duas na lateral e uma exterior – o sistema de câmaras do Galaxy Fold assenta na flexibilidade.

Samsung Galaxy Fold

Dex, Bixby, Knox, Health e Pay, todo um ecossistema preparado para as necessidades actuais que faze do Fold um possível substituto de um pequeno laptop.

O Samsung Galaxy Fold vai estar disponível nas cores Space Silver, Cosmos Black, Martian Green e Astro Blue e com um PVP a condizer: a partir de 2000 dólares e em duas versões: LTE e 5G.

Samsung Galaxy Fold

João Gata

Começou em vídeo e cinema, singrou em jornalismo, fez da publicidade a maior parte da vida, ainda editou discos e o primeiro dos livros e, porque o bicho fica sempre, juntou todas estas experiências num blogue.

View all posts

Add comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Analista ao volante do novo Mercedes Classe A

Análises – reviews

Breves

Siga o Xá das 5, um blogue de João Gata