HP Omen 15, o ensaio à versão ax001np

Um laptop para jogadores profissionais a preço confortável
7 Design
7 Construção
8 Inovação
9 Qualidade
8 Factor X5
7.8

Antes de tudo o resto, inicio já com as especificações técnicas deste ousado e original HP: a versão de ensaio é a Omen 15-ax001np e vem equipada com um processador de 6ª geração Intel Core i7-6700HQ (2,6 GHz, até 3,5 GHz, 6 MB de cache) com 4 núcleos, tudo isto bem reforçado com 16GB de RAM (SDRAM DDR4-2133) e uma gráfica NVIDIA GeForce GTX 965M (GDDR5 dedicada de 4 GB). Os mais fervorosos já devem estar a suspirar com tudo isto, certo? E espaço? A rodos, com 1TB disponível do disco SATA a 7200 rpm adjuvado pelo fantástico arranque protagonizado pelo SSD de 128GB (e que responde à crítica que fiz ao anterior modelo).

Com a alma tratada, vamos à sua janela: esta versão 15,6″ apresenta um ecrã FHD IPS UWVA (1920 x 1080) anti-reflexo com retro-iluminação WLED, muito viril e cheio de pujança, mais que suficiente para andar aos tiros ou guiar um carro a toda a velocidade. As ligações são também suficientes para uma utilização normal: 1 HDMI, 1 minijack (mic/phones), 1 x USB 2.0, 2 x USB 3.0 e uma RJ-45 (LAN Ethernet Gigabit 10/100/1000 Integrada). Para nos ligarmos ao mundo sem fios, temos também o que é necessário para o mundo de hoje: combo Wi-Fi Intel 802.11ac (2×2) e Bluetooth 4.2 (compatível com Miracast).

Para nos darmos a conhecer a esse mesmo mundo, nada melhor que uma câmara HP Wide Vision HD (campo de visão com um ângulo amplo de 88°) com microfone digital de matriz dupla. E para anunciarmos a nossa chegada, que tal duas colunas Bang & Olufsen com HP Audio Boost? É mesmo para bombar!

Mas tudo isto tem um senão: são 2,2 Kg a transportar que pesam nas costas. Conquistados mesmo assim? Então vamos à apreciação.

Lembram-se do Omen da geração anterior (ler ensaio), com um design futurista que chamava mesmo muito a atenção? Pois que fisicamente, este novo Omen “andou para trás” e apresenta-se com uma caixa igual a todos os outros, onde o plástico tem o papel principal ao contrário do metal que revestia o anterior modelo. Contudo, destaca-se pelo padrão da tampa e pelo logotipo original e exclusivo num vermelho brilhante a contrastar com o negro opaco do corpo. Se ficámos seduzidos pelo exterior, é ao abri-lo que a nossa atenção é imediatamente captada pelo layout do teclado, muito ousado e bem diferente do tradicional, apresentando um lettering próprio e somente em capitulares. É logo aqui que percebo que este portátil não foi pensado para mim, porque e acima de tudo, uso o computador para escrever. Foi-me bastante complicado entrar no espírito Omen e o meu cérebro travava a cada vez que eu queria usar uma capitular numa qualquer palavra. Por outro lado, esta problemática não se coloca a quem só tem olhos para o que se passa no ecrã e que pouco escreve e é para esses que a HP arriscou no conceito. Fez bem, o dito atrai e é um destaque de toda a feroz concorrência.

Fez-me falta uma drive física para os jogos que recebo em DVD ou Blu-Ray, pois e afinal, este Omen serve acima de tudo para jogar, certo? Por outro lado e quando se puxa por ele, as ventoinhas fazem-se ouvir, o que nos leva a aumentar o nível de áudio o que demonstra um tratamento pouco ambicioso nos sons mais graves, o que quanto a mim, faz falta nas explosões (sim, é um portátil, eu sei). A imagem é fluída e de grande qualidade, contudo, gostava de ter tido o ecrã 4K táctil para experimentar, mas percebo perfeitamente que o consumidor português queira poupar alguns euros. Mesmo com esta resolução, há que assinalar o pormenor gráfico que permite ver até os mais pequenos e escondidos objectos sem qualquer esforço. Com o brilho puxado e a reproduzir filmes através do Netflix em modo sem fios, a bateria aguenta-se entre as seis a sete horas, o que pode parecer pouco para um moderno laptop. Mas não se enganem, um ecrã de 15″ puxa sempre mais pelas células, e esta bateria consegue recarregar cerca de 50% em apenas 30 minutos, o que é óptimo.

Para jogadores mais exigentes, uma excelente notícia: o corpo liberta bem o calor (as duas ventoinhas ajudam) e o som através de auscultadores é muito bom, principalmente depois de o alterar conforme o nosso gosto. Este é um computador que vai ficar ligado longas horas e parece-me que está muito bem preparado para esse esforço.

A grande e boa notícia é que este downgrade qualitativo da geração anterior para esta tem um claro reflexo no preço final. Comparando o Omen de 2016 com este, sabemos que temos uma máquina com melhores especificações e com um preço muito, mas mesmo muito, simpático. Perde-se em originalidade, mas poupa-se mais de 500 euros, dinheiro que se pode gastar em…. jogos! E por este preço, o Omen é capaz de ser imbatível.

PVP: 1 249,99 € (procurem que o podem encontrar a menos de 1200€)

Ler também o ensaio ao anterior Omen:

HP Omen – ensaio a um laptop de topo