Ensaio à
BOSE SOUNDDOCK PORTÁTIL
Bose, quatro letrinhas que fazem sorrir qualquer audiófilo, qualquer entusiasta Hifi, em suma, qualquer pessoa que goste de ouvir música com qualidade.
São sistemas diferentes e ousados, com especificações técnicas muito interessantes e, acima de tudo, uma aposta invulgar no design e na sua instalação doméstica que se pretende quase invisível.
É uma marca com pergaminhos e fiéis utilizadores. Depois de nos fornecer soluções (e o Xá teve uma) para sistema em casa com pequenos tweeters duplos reposicionáveis e um subwoofer, está chegada a hora de entrar com força no segmento do Hifi portátil e totalmente… ‘digital’, ou seja, que sirva apenas leitores digitais de música, mais concretamente o iPod da, exacto, Apple.
É uma aposta inteligente, visto que cada vez mais pessoas usam os equipamentos Apple para ouvir música e, quem gasta um dinheirão num smartphone ou num leitor MP3 pode, pelas contas da Bose (e de outros fabricantes), gastar mais algum para obter a máxima qualidade sonora que os “ad ons pessoais” permitem.
Sabemos à partida que a B&W é quem dita as regras e qualidade a bater com as suas Zeppelin. Esta Bose não se enquadra totalmente na mesma gama (nem no preço), mas consegue tocar o céu com uma construção minimalista mas sólida num corpo muito pequeno e leve. E, atenção, já referi que é portátil?
Botões há só dois, os volume up&down que passam quase despercebidos na lateral direita.
Entradas só duas, uma para o transformador/acumulador de corrente (com um curioso design que permite enrolar-lhe o cabo) e uma MINI JACK para quem preferir leitores MP3 de outras marcas, como Sony ou Creative (muito superiores à maçã em termos de qualidade sonora). Só que aqui, o comando que já não oferece muitas ordens, deixa de fazê-lo (excepto on/off e volume), o que, sejamos francos, é logo uma machadada pois obriga a escolhermos as músicas através do leitor.
Mas para quem tem um iPod ou iPhone, basta pressionar levemente a porta arredondada na base do painel frontal para descobrir a valiosa ligação específica para esses equipamentos e que também serve para “refrescar” a bateria.
É fisicamente bem construída e muito equilibrada; a pega está bem colocada e permite grande facilidade de transporte sem fazer baloiçar a SoundDock, a porta rotativa roda para o interior para evitar choques, a grelha metálica tapa as colunas (e o único ledque acende e apaga com on e off, volume e pouco mais) e a bateria é facilmente destacável (presumo que para substituir por outra cheia). Esta Bose recreativa mede 175mm de altura, 307 de largura e 103 de profundidade, com 2,34 kg.
Mas vamos ao que interessa, a qualidade de som. Foi aqui que fiquei curioso o que me obrigou a transportar a SoundDock pelas principais divisões da casa. O som é forte, sólido, com bons agudos e, o que é muito importante (e geralmente o calcanhar de aquiles nesta categoria de equipamentos), com graves que se notam e sentem. E foi por eles que andei escada acima e abaixo, para ouvir até que ponto não aproveitavam a reverbação dos mosaicos da cozinha, ou dos cantos das paredes da sala para soarem tão bem. Na verdade, o comportamento mudava de acordo com o ambiente o que não deixa de ser extraordinário para uma pequena caixinha que podemos levar para todo o lado.
Francamente, gostei!
A música soa detalhada, com alguma estereofonia, graves que se deixam ouvir e uma gama de médios e agudos que tornam perceptíveis as nuances musicais de artistas mais complexos.
O comando, sinceramente, não me serviu de grande coisa, mas pelo menos aumenta ou baixa o volume de mais longe. Por falar em volume, esta espantosa caixinha aguenta bem uma sala, um pequeno jardim e é perfeita para o quarto, cozinha ou terraço.
Se é um parceiro ideal para um iPod? Para quem viaja e tem casa de campo e de praia e um grupo de amigos cool, sim.
A BOSE SoundDock tem um preço que ronda os 437 euro o que, convenhamos, não é para todas as bolsas. Mas um iPod ou iPhone também não, portanto, um mais um deve dar dois.
Para quem não se justifica andar de um lado para o outro mas gostam do seu tamanho e qualidade sonora, existe uma versão não portátil por 314 euro.
Mais info na página oficial

Camila Hoffman

View all posts

Add comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *