A Bose foi pioneira ao juntar bluetooth com cancelamento de ruído e agora acrescenta o Google Assistant


Como se pode melhorar o que é quase perfeito? Ora, é fácil: mantendo o que está bem feito e oferecer uma nova função. E foi isto que a Bose fez com os novos QuietComfort QC35 agora na versão II. A novidade é um pequeno botão que acede ao assistente da Google. É bem verdade, muitos dos felizardos podem agora contar com um assistente personalizado para realizar muitas funções. Temos é de falar em inglês ou com um sotaque que alguém garante ser português mas lá do Brasil.

Os QuietComfort estão, quanto a mim, no podium da excelência deste segmento de equipamentos, ao lado das criações da poderosa Sony. Se há melhor? É bem capaz, mas não me chegam para análise os modelos de marcas premium que custam para cima de 1000 euros. Portanto, e nesta gama de preço que mesmo assim continua demasiado caro para a maioria dos potenciais clientes portugueses, poucos são os que lhe chegam aos calcanhares e temos de respeitar a marca por conseguir, ano após ano, criação após criação, cimentar a sua posição.

Se não sabem, foi a Bose a primeira a juntar duas tecnologias num auscultador: o cancelamento de ruído e a reprodução sem fios através de uma conexão bluetooth. Um forte aplauso, se faz favor.

E se os QuietComfort me têm vindo a fazer sofrer (sempre que os devolvo à base), há que tentar explicar o porquê, pois não é fácil conseguir experimentar modelos numa qualquer loja, porque ou estão dentro das embalagens, ou os do mostruário já conheceram melhores dias.

Os Bose QuietComfort QC35 II são, numa só palavra, confortáveis! São mesmo muito confortáveis a modos de deixarmos de perceber que os estamos a usar e isto, vindo de quem já usou e abusou de auscultadores durante horas a fio (fui músico, portanto imaginem as horas a compor, editar e produzir) é quase tão importante quanto a qualidade de reprodução. De nada me serve ter o melhor som do mundo se fico com as orelhas a ferver ao fim de 10 minutos, certo? Portanto, é este o ponto que quero definir como o de partida para as longas horas que os usei ao longo do período de análise.

Fisicamente, os novos Bose são… exactamente iguais ao modelo anterior, à excepção do novo botão. De resto, lá estão os controlos de áudio (volume e faixa), os microfones exteriores e interiores da campânula para analisar e medir o som ambiente e fazer com que os dois chips (bem verdade, um para cada ouvido) façam a magia do cancelamento desse ruído exterior e os materiais que ajudam à leveza (esta versão de plástico em tom negro é muito elegante, mesmo que não seja o design mais conseguido do mercado). As almofadas são extraordinárias e assentam que nem uma luva fazendo a pressão ideal, nem muita nem pouca, para conseguirmos sentir a leveza do conjunto ao mesmo tempo que não deixa escapar nenhum som para o exterior… enfim, são todos estes pormenores que fazem a diferença e distinguem o óptimo do muito bom.

Os QCII têm 20 horas de autonomia mas podem ser ligados à fonte através do cabo áudio para continuar a audição. Aliás, é através desta ligação que se garante os melhores resultados de reprodução, ideais para quem realmente “leva o decibel a sério”, como já ouvi dizer. Esta diferença é apenas válida para quem possui um grande ouvido ou é um purista. Por falar em qualidade áudio, o que poderei dizer? É superlativa em todos os aspectos, desde a dinâmica aos “gravões” cheios, preenchidos, secos, à gama de frequência média que mostra a importância que tem e uns agudos tonificados, libertos, nada agressivos e que compõem o ramalhete. Somos levados a ouvir até as respirações entre notas, os pequenos toques nas madeiras ou o próprio descanso entre solos dos músicos. Logicamente que este tipo de auscultadores obrigam à audição de ficheiros com qualidade, ou seja, tentem por tudo encontrar versões FLAC dos discos que querem ouvir ou, na pior das hipóteses, um MP3 a 320. É que se for para ouvir música que poupa espaço no disco, qualquer auscultador de 40€ serve o (mau) propósito.

O problema de conhecer bem a gama da Bose, quase desde o seu início, é não ficar deslumbrado a cada nova versão. E isto tem aspectos positivos, pois a marca vai incrementando o potencial tecnológico das peças sem, no entanto, fazer qualquer tipo de concessão qualitativa.

Estes QCII têm o diferencial do Google Assistant a que acedemos através do botão Action. Nem é necessário dizer “ok google”, basta ordenar o que queremos, desde a reprodução da música X à marcação de eventos na agenda e calendário, à pesquisa de informação, receber ou ditar mensagens, fazer chamadas, enfim, o mundo é da Google. (Os QCII também acedem à Siri, não há qualquer problema).

Convém baixar e utilizar a App (gratuita) Bose Connect pois é através dela que acedemos a todo um manancial de definições que vão desde a equalização à alteração da função do botão Action para, muito importante, poder escolher o nível de percentagem de cancelamento de ruído que preferimos. Isto, quanto a mim, é essencial, pois gosto de continuar a ser alertado pelos acontecimentos da vida real em vez de estar-lhes completamente alheado.

Em suma, são realmente caros, mas a qualidade não tem preço, pelo que se diz. E levam um selo de ouro!

PVP: 379,95€

Voicebox selo de ouro
Voicebox selo de ouro

João Gata

Começou em vídeo e cinema, singrou em jornalismo, fez da publicidade a maior parte da vida, ainda editou discos e o primeiro dos livros e, porque o bicho fica sempre, juntou todas estas experiências num blogue.

View all posts

Add comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Analista ao volante do novo Mercedes Classe A

Análises – reviews

Breves

Siga o Xá das 5, um blogue de João Gata