Quando pensamos na Bose, visualizamos imediatamente a excelência audiófila: home cinema, PA’s, sistemas audio para automóveis e por aí fora.
Agora, a Bose apresenta algo completamente diferente e inesperado!
Após 25 anos de investigação, a marca revelou os resultados do programa que tem como objectivo criar uma… nova suspensão automóvel!!!!!
Se estamos habituados à inovação e diferença de uma marca como a Bose, dificilmente esperamos que uma marca dedicada à criação de sistemas audio topo de gama reinvente o conceito de suspensão automóvel.

 

 

Pela primeira vez é demonstrado que é possível ter, no mesmo automóvel,  mais suavidade do que em qualquer carro de luxo ecom menos inclinação do que num desportivo.
O veículo experimental da Bose é mais confortável, devido ao seu deslizar suave em piso irregular e oferece maior controlo com um menor adorno da carroçaria em manobras mais agressivas.
Com o início da investigação em 1980, surgiu um período de análise matemática de cinco anos. O objectivo: determinar qual a performance óptima que pode ser obtida sem os constrangimentos dos tradicionais e já existentes sistemas de suspensão. Com esta análise ficou demonstrada a possibilidade de atingir melhor desempenho do que o encontrado nos sistemas de amortecedores variáveis de molas ou hidráulica.


Após os primeiros cinco anos de estudo, a Bose percebeu que para conseguir as tão desejadas características da suspensão,teria de seguir a abordagem electromagnética.
Para a conseguir eram necessários progressos significativos em quatro áreas:

1.       Motores lineares rápidos com elevada potência e grande eficiência

2.       Amplificadores com capacidade para controlar os motores lineares

3.       Algoritmos de controlo para conferir a estabilidade do desempenho que se pretendia para o sistema de suspensão

4.       Velocidade de processamento em computadores de dimensões reduzidas


Por sua conta, a Bose assumiu o desafio nas primeiras três áreas e, para a quarta, apostou nos progressos que a própria industria iria registar.
Hoje, 25 anos depois, a Bose apresenta os resultados do seu programa de investigação através de comparações directas entre um carro de luxo com suspensão original de fábrica e um carro do mesmo modelo equipado com a suspensão Bose. O comportamento deste carro foi também comparado com o de alguns dos desportivos de referência.

Sobre o sistema de Suspensão Electromagnética Bose
 
Logo à partida dois pontos fundamentais entravam em conflito – o conforto (assegurado através do isolamento dos passageiros face às irregularidades da estrada) e o controlo (conseguido através da diminuição do adornar excessivo da carroçaria que permite aumentar a superfície de contacto entre o pneu e a estrada).
É este conflito que coloca em pólos opostos o comportamento do automóvel de luxo e do automóvel desportivo.


Infelizmente nenhum dos sistemas tradicionais de suspensão tem capacidade de eliminar este conflito. A partir deste momento entrou em linha de conta a abordagem electromagnética.
Com a suspensão Bose é instalado um motor electromagnético linear em cada roda do veículo. Uma das principais vantagens desta abordagem é a velocidade. O motor electromagnético tem capacidade de resposta suficiente para compensar os efeitos das irregularidades do piso, e deste modo, reforçar o conforto. Por outro lado este motor foi desenhado para garantir potências muito elevadas, o que lhe permite aplicar força suficiente para impedir o carro de adornar em demasia nas manobras mais agressivas.

O amplificador de potência fornece energia eléctrica ao motor através dos sinais dados pelos algoritmos de controlo.Regenerativo, permite a afluência de energia ao motor electromagnético linear e também que essa energia seja devolvida ao motor. Isto resulta num consumo energético que representa cerca de um terço da energia dispendida por um sistema de ar condicionado de um automóvel comum.


Os algoritmos de controlo funcionam com base nos sensores presentes no automóvel e enviam instruções aos amplificadores de potência instalados em cada canto do veículo.
O objectivo dos algoritmos é garantir um rolamento suave com inclinação mínima.
Nos testes realizados em veículos experimentais, em vários tipos de estrada e sob as mais diversas condições, a suspensão Bose demonstrou significativos ganhos de conforto e de controlo. Algo que todos nós podemos detectar na condução diária do nosso automóvel.
A suspensão da Bose vem demonstrar que é possível combinar conforto e dinâmica no mesmo automóvel. 
Fica apenas a pergunta – para quando viaturas equipadas de série com a suspensão Bose?

Artigo de opinião escrito por RICARDO TEIGAS JACOB

João Gata

Começou em vídeo e cinema, singrou em jornalismo, fez da publicidade a maior parte da vida, ainda editou discos e o primeiro dos livros e, porque o bicho fica sempre, juntou todas estas experiências num blogue.

View all posts

Add comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Breves

Analista ao volante do novo Mercedes Classe A

Siga o Xá das 5, um blogue de João Gata