Vistoso, bonito e poderoso, o novo Samsung Galaxy Tab S4 vem acompanhado da S Pen e tem um acessório fantástico na forma de uma capa/teclado

O colosso de produtividade móvel que é o Samsung Note 9 (ler análise aqui) foi a base de trabalho para lançar um super tablet que, por si só, mostra que ainda há mercado neste segmento. Desde que se acerte em cheio. Será que a marca o conseguiu com este Galaxy Tab S4?

Primeira impressão: e de que maneira!

Mas, e afinal, para que queremos um tablet num mundo de smartphones com ecrãs gigantes?

Esta é a one million dollar question dos próximos anos porque, pelos vistos, as marcas têm a certeza que queremos mas… que seja prático, coisa que os tablets não são.

E por ser prático leia-se caber no bolso.

Ora a Samsung, inclusive e de forma audaz, é das marcas que já apresentou o seu conceito de smartphone dobrável, ou seja, um misto entre um telefone e um tablet.

Esta é a resposta para as necessidades de consumo de conteúdos audiovisuais, pois muitos utilizadores usam o seu smartphone para ver episódios e filmes com tudo o que de errado que essa realidade promove, mas, helas, são os sinais dos tempos modernos.

Mas falta ainda um par de anos para que esses “foldables” sejam uma opção real e com preço, vá lá, humano. Por isso e até lá, podemos contar com os préstimos deste fantástico tablet denominado S4 e que continua uma linhagem de excelentes produtos.

Análise Samsung Galaxy Tab S4 - Xá das 5

A máquina

O Samsung Galaxy Tab S4 é um portento de design e capacidade técnica. Na verdade, e com os acessórios quase imprescindíveis, luta corpo a corpo contra o novo Surface Go (ler análise aqui), os extremos qualitativos desta nova geração de tablets. Mas encontrei-lhe mais valias no confronto directo com o adversário da Microsoft.

Análise Samsung Galaxy Tab S4 - Xá das 5
Lado a lado, Tab S4 e Surface Go

Em primeiro lugar, há que optar entre Android (neste caso o 8.0) ou Windows (dos iPad não posso falar devido à política da marca em Portugal em não ceder equipamento para teste).

Pois bem, construído em vidro (frente e traseira) e metal (lados e rebordos), surge com um ecrã super AMOLED 10.5” (2560 x 1600) com ratio 16:10 que enche quase por completo a frente deste tablet. Na verdade, a moldura é mínima o que demonstra todo o cuidado que a marca teve no desenvolvimento deste topo de gama.

Mas não há bela sem senão, e estes bizels quase inexistentes promovem o toque no ecrã com parte das mãos.

Com 4 GB de RAM e 64 GB de armazenamento interno (expansíveis até 400 GB mediante cartão), o mais antigo processador snapdragon 835 é mais que suficiente para a utilização que frequentemente damos a um tablet.

A bateria com 7300mAh é perfeita para um par de dias de actividade (a marca garante tempo útil de 16 horas contínuas, mas sabemos como elas se traduzem com jogos e filmes) mas há carregamento rápido disponível.

Três botões no topo (on/off e volume), entrada para cartão microSD e a conexão para acessórios no outro extremo, são, a par da câmara traseira e da ficha para auscultadores, os únicos elementos visíveis e tácteis neste monolito preto, visto que o botão frontal (home) desapareceu e a câmara frontal e demais sensores são quase imperceptíveis.

Nas laterais encontramos os alfifalantes colocados acima e abaixo do centro, o que é bom para poder agarrar o S4 com ambas as mãos sem tapar os ditos, o que seria uma pena, visto que são “tratados” pela AKG e são compatíveis com Dolby ATMOS.

O resultado destas quatro colunas é um som composto, com alguns graves e médios bem presentes. Cuidado com os agudos no máximo, pois têm tendência a ser um pouco estridentes.

Análise Samsung Galaxy Tab S4 - Xá das 5

S Pen

Esta stylus é um dos grandes pontos a favor do S4, visto que vem no pacote. Todas as características são idênticas ao que encontramos no Note 9, excepto o maior tamanho, com uma sensibilidade extrema 4096 níveis de pressão.

Trabalhar com ela é muito fácil e convida à sua utilização, tanto para ilustradores como para o trabalho de escritório.

A suite da casa serve muito bem todos os intentos, para além da caneta ser compatível com mais software de terceiros. Uma única e pessoal crítica: preferia que a caneta tivesse mais peso. Por outro lado, e se não adquirirmos a capa teclado, vai ser difícil arrumá-la pois o tablet não tem nenhuma presilha e não possibilita a junção por acção de um magneto.

Câmaras e desbloqueios

Traseira com 13 MP, serve para o que lhe é exigido. Mas permite gravação vídeo 4K a 30fps e tem Auto focus.

A unidade frontal de 8 MP tem qualidade vídeo Full HD e dobra a função como desbloqueador através de reconhecimento facial.

O reconhecimento por íris também é já normal num Samsung, mas este Tab S4 perde a faculdade do desbloqueio através da impressão digital.

Análise Samsung Galaxy Tab S4 - Xá das 5

Focado em produtividade com o portentoso DEX

A Samsung implementou toda a sua tecnologia neste tablet: o modo DEX é um dos exemplos que transforma este S4 num escritório ambulante que não pesa na mala ou na mão.

O meu monitor é moderno e permite, apenas com um cabo, ligar o Samsung através da saída USB-C à entrada HDMI. A partir daí, posso usá-lo num ambiente de escritório através de um monitor que me vai permitir realizar mais facilmente algumas tarefas.

Posso ainda usar o Tab S4 como trackpad gigante, enquanto vejo o resultado dos rabiscos no monitor. É uma solução fantástica e muito prática e que, para muitos utilizadores, pode mesmo evitar a necessidade de ter um computador no trabalho. Tudo depende das necessidades de cada um.

Mas nem tudo são rosas. Tal como acontece no Note 9, existe uma particularidade que me fez perder algum tempo, pois não vem explicada no site que a Samsung tem para o DEX: precisamos de um teclado e de um rato ligados ao monitor para usar, como é previsto, as facilidades do Tab S4. Portanto, há que saber escolher, também, o monitor ideal.

Análise Samsung Galaxy Tab S4 - Xá das 5

Funções de que gostamos e outras nem tanto

Ele há aplicativos da marca sul-coreana que nos fazem gostar dela. Se os Note sempre foram únicos devido à S Pen e à suite que a acompanha, o ecrã de atalhos lateral é realmente útil nos smartphones mas, curiosamente, é a função Screen Off Memo que mais me enche as medidas.

O tablet pode estar desligado quando nos surge a ideia de uma vida, ou porque queremos apontar os números com que sonhámos do euromilhões ou por qualquer outra razão.

Para fazê-lo, basta escrevinhar no ecrã com a S Pen para “acender” automaticamente um ecrã negro onde vamos escrevinhando ou desenhando a branco. É, posso garantir, útil e realmente muito prático.

Outra função engraçada é usar o Tab S4 como uma moldura digital (lembram-se do sucesso destes quadros digitais para fotografias?) ou até para outro tipo de informações, como a meteorologia. Mas há que gastar mais dinheiro na compra da necessária base ligada através do conector POGO.

O assistente pessoal da marca, a ou o Bixby, cá continua presente para nos ir aprendendo alguns comportamentos e gostos. O Tab S4 tem Bixby vision que é uma espécie de ajudante em Realidade Aumentada, quando ela estiver realmente disponível nas montras e produtos que desejamos comprar.

Permite ainda traduzir menus (e outras sinaléticas), o que é perfeito para os portugueses que visitam o Algarve.

Por último, há que apontar a ultra segurança do sistema Knox que ajuda a proteger os nossos dados e conteúdos com várias camadas de protecção que nos permite, por exemplo, abrir folders com o reconhecimento por íris.

A brincar a brincar, é quase meio kg de tablet sem capa/teclado

O S4 não é leve e chega às 483g e isto sem a capa/teclado que, quanto a mim, é um acessório fundamental para conseguir extrair todo o potencial produtivo deste Samsung.

Este preciosismo vem com um preço danado: 130€ que acompanham os mais de 600€ do próprio tablet.

Análise Samsung Galaxy Tab S4 - Xá das 5

Mas, por muito alto que seja, o valor está em consonância com o preço das capas teclado do Surface, principalmente na versão Go.

Mas será que vale a pena mais este esforço monetário? Quanto a mim, sim, porque transforma um excelente tablet numa unidade móvel de produtividade.

Análise Samsung Galaxy Tab S4 - Xá das 5

Esta capa, para além de proteger a totalidade do S4, tem também um uma “argola” para prender convenientemente a S Pen e o tamanho das teclas, não sendo ideal, permite uma boa utilização.

Pena que as teclas sejam de plástico e também o trabalho que dá conseguir que o teclado fique em português com a pontuação certa. Só depois de um upgrade de software o consegui e, mesmo assim, tive de repetir o processo por uma ou duas vezes.

De qualquer forma, faz todo o sentido e se o dinheiro não for um problema ou se a necessidade assim o exigir, é um acessório bastante útil.

De qualquer forma, o preço a pagar por tudo isto já dá para comprar um ultrabook modesto, portanto, tenham em conta essa alternativa.

Análise Samsung Galaxy Tab S4 - Xá das 5

Concluindo

Este tablet cheira a topo de gama. É muito bonito porque simples e sem artifícios. Elegante, poderoso e rápido, entra directamente no top 3 do segmento.

A qualidade de imagem é fenomenal, com um brilho intenso e cores vívidas, mas não berrantes como é norma na marca.

Tudo é equilibrado e até o som, com quatro colunas dedicadas, está acima da concorrência.

É um tablet que permite trabalhar, tanto em modo criativo como no escritório, e perfeito para se levar de um lado para o outro e usar até como computador.

A capa teclado e a S Pen compõem o ramalhete.

Mas tudo isto tem um preço e este é elevado.

PVP Samsung Galaxy Tab S4: entre 620 a 650€

PVP capa teclado Tab S4: 125€

João Gata

Começou em vídeo e cinema, singrou em jornalismo, fez da publicidade a maior parte da vida, ainda editou discos e o primeiro dos livros e, porque o bicho fica sempre, juntou todas estas experiências num blogue.

View all posts

Add comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Analista ao volante do novo Mercedes Classe A

Análises – reviews

Breves

Siga o Xá das 5, um blogue de João Gata